A BR 457 entre Cristalina e Goiânia, pode ser incluída no PAC


A rodovia BR 457 que ligará Cristalina a Goiânia, foi projetada a mais de 50 anos e nunca saiu do papel. Em 2010, o então secretário de Planejamento de Goiás, Oto Nascimento, apresentou o projeto de construção da rodovia ao prefeito de Cristalina, Luiz Attié e naquele momento chegou-se a falar que as obras iniciariam em 2011, no entanto, quase findando 2012 o projeto permanece engavetado.
Rodovia BR 457 pode sair do papel
Mapa da Rodovia BR 457 - Clique na imagem para ampliar.
Segundo o deputado estadual  Walcenor Braz, lideranças políticas de Goiás estão mobilizadas e reivindicando junto ao governo federal que os recursos necessários para construção da rodovia sejam alocados no orçamento da união por meio do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC. A intenção dos goianos é de que a BR 457 esteja concluída antes da Copa de 2014 (o que é uma utopia).
Um pouco mais sobre a BR 457
A BR 457 terá aproximadamente 236 quilômetros de extensão e cortará as seguintes localidades em Goiás, Cristalina, Domiciano Ribeiro, Buritizinho, Maniratuba, Ponte Funda, Vianópolis, Leopoldo de Bulhões e Bonfinópolis, municípios já interligados à Goiânia e Anápolis por rodovias pavimentadas.

Serão investidos na construção da rodovia aproximadamente R$ 250 milhões, a expectativa é de que as obras durem dois anos, até o momento sem previsão de início. Segundo estudos de engenharia, quando estiver concluída, a BR 457 terá um tráfego diário superior a 3 mil veículos, sendo que deste total,  entre 700 e 1.000 sejam de caminhões.

A BR 457 quando sair do papel trará muitos benefícios para as comunidades por onde ela passar, além do escoamento da safra agrícola da região Leste de Goiás e da região da Estrada de Ferro, a distância entre Cristalina e Goiânia será encurtada em dezenas de quilômetros. Outro ponto importante é que, Goiânia terá ligação direta com a BR 040 e BR 050, rodovias que interligam Brasília à Belo Horizonte, Rio de janeiro e São Paulo, que são os principais mercados consumidores do Brasil.

Comente com sua conta do Facebook

Comente com sua conta do Google

Nenhum comentário

Antes de comentar leia nossa Política de Comentários

Atenção: Os comentários não refletem as opiniões do editor e nem do Site.