Secretário explica o legado que a Copa de 2014 deixará para Brasília


Governo explica o legado que a Copa do Mundo de 2014 deixará em Brasília
Secretário Extraordinário da Copa em Brasília, Claudio Monteiro, destaca os preparativos da capital federal para receber a Copa das Confederações (2013) e o Mundial de 2014.
Faltam menos de oito meses para Brasília atrair os olhares de todo o mundo de uma forma muito especial. Escolhida como sede da abertura da Copa das Confederações (2013), a capital da República também é a que mais foi contemplada com número de jogos da Copa do Mundo de 2014, ao lado do Rio de Janeiro. Serão sete ao todo. 

Para cumprir as duas importantes missões, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, que já presidia o Comitê Brasília 2014, criou a Secretaria Extraordinária da Copa em Brasília. Sob o comando do secretário Claudio Monteiro, a secretaria tem entre suas principais responsabilidades a obra do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha e a coordenação dos preparativos de toda a capital para receber as duas competições internacionais. São ações que vão muito além do estádio e que envolvem diversos órgãos do GDF para melhorar e renovar serviços essenciais à população como mobilidade urbana, segurança, capacitação, geração de emprego, entre outros. 

O brasiliense verá uma grande transformação em todos os setores da cidade, como o aeroporto reformado, um sistema de transporte completamente modificado, para atender as necessidades da população e ciclovias. “Teremos uma oportunidade única de apresentar Brasília para todo o mundo. Retomando as palavras do governador Agnelo Queiroz, afirmo que 'esse período será um instrumento de desenvolvimento econômico para a cidade'”, declara o secretário Claudio Monteiro. 

Como meta do governo, o grande legado que ficará para toda a população do DF será a melhoria da qualidade de vida por meio da qualificação profissional, do desenvolvimento do turismo e, consequentemente, da geração de emprego e renda. 

Como o senhor avalia os preparativos de Brasília para receber os dois campeonatos e o legado que eles deixarão para a cidade?
O governador Agnelo Queiroz, desde o início de sua gestão, enxergou a oportunidade singular que é sediar esses grandes eventos. Com isso, Brasília recebe investimentos, e o governo está conseguindo impulsionar obras e melhorias de que a população precisa imediatamente.

Só por ser cidade-sede, Brasília está recebendo cerca de R$ 3 bilhões em investimentos, aplicados, por exemplo, em melhorias no aeroporto e em obras de mobilidade como o Expresso-DF, que ligará, em um primeiro momento, Gama e Santa Maria ao Plano Piloto. Até a Copa do Mundo, estaremos com todos os equipamentos públicos concluídos, levando a cidade a outro patamar. Haverá uma linha divisória entre o antes e o depois dos eventos.

O grande legado de Brasília por sediar a Copa das Confederações (2013) e a Copa do Mundo (2014) será ter uma população mais bem preparada e qualificada, com melhores oportunidades de emprego e, portanto, melhor qualidade de vida.

E o governo trabalha para isso. O programa Qualificopa, da Secretaria de Trabalho, por exemplo, é dos grandes instrumentos de transformação por meio da capacitação profissional. Temos índices ótimos de colocação no mercado de trabalho. Somente da última turma, 100% dos que fizeram curso de vendedor já estão trabalhando. 

O que o turismo trará de benefícios para a cidade?
Brasília é uma cidade planejada, preservada e tombada. Nossa cidade tem os melhores índices do país. Aqui o turista se sentirá seguro e acolhido. Caminhará pelos nossos parques, andará em nossas ciclovias e se deslocará ao estádio caminhando, devido à proximidade dos hotéis.

Brasília é um museu a céu aberto das obras de Oscar Niemeyer, e estamos trabalhando para também alavancar uma vocação da cidade que foi ignorada durantes anos: o turismo, uma indústria limpa, que movimenta o setor de serviços como bares, restaurantes, hotéis e, é claro, gera emprego, renda e aquece a economia local.

Teremos uma oportunidade única de apresentar Brasília para todo o mundo. Retomando as palavras do governador Agnelo Queiroz, afirmo que “esse período será um instrumento de desenvolvimento econômico para a cidade”. Vamos sair da condição de cidade capital e administrativa para nos tornar um local atraente para visitação. 

Como está a construção do estádio?
O estádio está entre os mais adiantados do país, com 76% de sua execução concluída. Terminamos todas as arquibancadas e o anel de compressão e já iniciamos os preparativos para montar a grande cobertura. Ela permitirá a passagem de luz natural, não retém o calor, retira da atmosfera a poluição de cerca de mil veículos e ainda absorve água da chuva, que será armazenada em grandes cisternas. Por isso chamamos o estádio de Ecoarena, que já ser uma referência mundial em sustentabilidade e se destaca entre as apostas do governo para promover desenvolvimento econômico e atrair turistas. 

E as outras obras?
Além do estádio, estamos construindo ciclovias em todo o DF. O Expresso DF está em execução e, em breve, iniciaremos a ampliação da DF-047, que está em fase final da licitação. A CEB está investindo R$ 152 milhões em todo o DF, também com foco na Copa. Todos esses investimentos são potencializados pelos eventos, mas o importante é que beneficiarão e mudarão a vida de todos os brasilienses. 

O conceito de arena multiuso também vai aumentar o potencial do estádio e de Brasília para grandes eventos?
Sim. Vou usar outra expressão que o governador utiliza: “No estádio teremos, inclusive, o futebol”. Por ser multiuso, o estádio será ocupado de forma permanente, inserindo a cidade no circuito dos grandes eventos mundiais.

Vamos fazer a licitação desse espaço, de forma que a iniciativa privada tenha concessão de uso e o governo receba aluguel. A partir daí, teremos uma agenda de shows nacionais e internacionais e de eventos de todas as modalidades esportivas e culturais. Brasília tem público para isso. 

E a questão da sustentabilidade?
É uma característica marcante e singular. O que está sendo feito no Distrito Federal é o estabelecimento de uma nova cultura, uma nova política e uma forma diferenciada de se fazer obras públicas. Esperamos que, nas próximas Copas do Mundo, os estádios também lutem para conquistar o Leed Platinum, selo máximo de sustentabilidade. Mas nós seremos sempre o número um no mundo em ter conquistado esse selo. Construir uma arena sustentável é pensar nela desde o projeto. É pensar seus detalhes de forma a integrá-la ao meio ambiente e ter um melhor uso das forças da natureza, preservando-a.

O maior custo das arenas é o consumo de energia e de água. No anel de compressão, que sustentará a cobertura e que possui 1km de extensão, serão instaladas as placas fotovoltaicas que captarão energia solar suficiente para abastecer toda a estrutura e ainda ceder energia para a Companhia Energética de Brasília (CEB). Além disso, há um afastamento entre o final da arquibancada e o início do anel de compressão, para favorecer a circulação de ar. 

Secretário, qual é a previsão de entrega das obras do estádio?
Temos um cronograma próprio, que é entregar a grande estrutura da arena no dia 31 de dezembro deste ano, às 11 horas. Vamos entregar a chave, de forma simbólica, ao governador. A partir daí, seguiremos com ajustes até a conclusão completa, prevista para o final de fevereiro de 2013. Com 4 mil operários trabalhando em ritmo acelerado, divididos em três turnos, temos a convicção de que a nossa tarefa será concluída em sua plenitude, pois nossos novos candangos trabalham com eficiência e orgulho. 

Dá para adiantar os preparativos para a inauguração?
A inauguração será uma grande surpresa para o Distrito Federal. Já temos duas datas marcantes: o aniversário de Brasília, no dia 21 de abril, e o dia do trabalhador, em 1º de maio. Ainda não definimos, mas certamente será em uma data simbólica e especial para a capital. O que podemos adiantar é que iremos promover uma grande festa para mostrar ao mundo que estamos preparados. A comemoração contará com a especial participação dos operários que ajudaram a erguer esse monumento que é o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.
Com informações da Agência Brasília

Comente com sua conta do Facebook

Comente com sua conta do Google

Nenhum comentário

Antes de comentar leia nossa Política de Comentários

Atenção: Os comentários não refletem as opiniões do editor e nem do Site.