Últimas Notícias

Notícias do Rádio

Telefonia

Nº de visualização do site

Pessoas Online

terça-feira, 12 de junho de 2012

O governador de Goiás, Marconi Perillo depõe na CPMI do Cachoeira

|

Marconi Perillo, governador de Goiás, depõe na CPI do Cachoeira
Com muito tumulto, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB-GO), chegou a Brasília para prestar depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito - CPMI do Cachoeira.

O clima nos corredores do Senado esquentou entre os aliados do governador e um grupo contrário que usava nariz de palhaço e gritava: "Fora, Perillo!". Só depois que os seguranças do Senado Federal impediram que os protestantes adentrassem a sala de depoimentos foi que os ânimos se acalmaram, somente os aliados do governador puderam entrar no plenário, dentre eles vereadores, prefeitos e assessores.

Perillo foi ao depoimento com a missão de convencer os deputados e senadores da CPMI, que não tinha relações com o contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, mais conhecido como Carlinhos Cachoeira. O governador ressaltou que a polícia goiana, sob o seu comando, vem realizando um forte enfrentamento ao crime organizado, além de atividades ilegais que supostamente eram comandadas por Cachoeira.

O governador reiterou diversas vezes que não houve ligação de seu governo com o empresário investigado pela Polícia Federal, suspeito de comandar esquema criminoso envolvendo jogos ilegais, com a participação de políticos e empresários. "Não há nenhum ato do governo de Goiás em benefício ou na direção do que foi suscitado pela imprensa. Falaram muito, mas nada se concretizou", disse. "Nunca mantive qualquer relação de proximidade com o empresário Carlinhos Cachoeira, embora fosse ele uma pessoa de livre trânsito com políticos do meu estado e com as pessoas mais ricas", completou.

Perillo citou um diálogo interceptado pela Polícia Federal do empresário com a mulher dele, Andressa Mendonça, no qual ele estaria reclamando da ação do governo. Na gravação citada pelo governador, Cachoeira reclama que tinha vontade de chorar ao "ser tratado como um bandido" e que os negócios de jogos que continuavam funcionando em Anápolis não estavam mais com o lucro esperado. "Essa é a prova do quanto a polícia do meu estado agiu contra a contravenção e contra todo tipo de crime organizado", disse o governador.

"São 30 mil horas de gravações, três anos de gravações e não há nenhuma ligação dele para mim. Apenas uma ligação minha para ele por ocasião de seu aniversário. Se ele era uma pessoa próxima, era natural que ele tivesse acesso ao meu telefone particular", argumentou o governador.

Em relação à venda de sua casa em Goiânia, Perillo disse que não sabia que o ex-vereador de Goiânia Wladimir Garcez, que intermediou a compra, havia tomado empréstimos com terceiros para aquisição da casa. Segundo o governador, o ex-vereador havia se apresentado como comprador do imóvel e posteriormente, repassou o negócio à outra pessoa. "Enquanto outros fazem esquemas eu sou acusado de ter vendido uma casa de minha propriedade e dentro da lei", argumentou o governador.

Na avaliação de deputados e senadores da CPMI, a apuração das circunstâncias em que a casa foi vendida servirá para tentar esclarecer o grau de proximidade do governador com o Cachoeira, a venda da casa do governador ainda não está bem explicada e apresenta muitas contradições de ambos os lados.

O proprietário da Faculdade Padrão, Walter Santiago, em depoimento à CPMI, disse que a compra da casa de Marconi Perillo foi feita em dinheiro, com notas de R$ 50 e R$ 100, totalizando R$ 1,4 milhão, pagos à Lúcio Fiúza, assessor de Perillo, e ao ex-vereador e lobista da construtora Delta, Wladimir Garcêz. Já o governador conta outra versão, ele disse que recebeu pela venda do imóvel três cheques, sendo dois de R$ 500 mil e um de R$ 400 mil.

Categorias: Política


Comente com sua conta do Facebook


Postar um comentário

Antes de comentar leia nossa Política de Comentários

Atenção: Os comentários não refletem as opiniões do editor e nem do Site.