Últimas Notícias

Notícias do Rádio

Telefonia

Nº de visualização do site

Pessoas Online

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Governo que tirar 16 milhões de pessoas da pobreza até 2015

|

REDUÇÃO DA POBREZA É META DO GOVERNO FEDERAL
O governo está propondo a superação de 11 "macrodesafios" no Plano Plurianual (PPA) 2012-2015, encaminhado ao Congresso non dia 31 de agosto. Além de temas tradicionais em PPAs, como atingir metas educacionais, a proposta fala em erradicação da pobreza extrema; ciência, tecnologia e inovação como eixos do desenvolvimento. Metas como transparência na ação pública e ética no serviço público aparecem em mais de um macrodesafio.

No caso, Democracia e Participação e Gestão Pública. A meta de respeito à diversidade aparece nos macrodesafios Educação e Cidadania.
Entregue oficialmente ao presidente do Senado, José Sarney, na manhã de quarta, o texto lista 65 programas temáticos inseridos em quatro grandes temas (social, infraestrutura, desenvolvimento produtivo e ambiental e especiais). De acordo com informações do ministério do Planejamento, além dos R$ 2,6 trilhões para a área social, serão destinados R$ 1,2 trilhão para infraestrutura, R$ 663 bilhões para desenvolvimento produtivo e ambiental, e R$ 104 bilhões para projetos especiais (política de defesa, integração sul-americana, política externa e economia solidária, entre outros).

Do total de recursos da área social, a Previdência Social recebe 55% (R$ 1,4 trilhão); o aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde fica com 12%, ou R$ 316,7 bilhões; trabalho emprego e renda 10% dos recursos; educação 8%, o fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social 8%, agricultura familiar 4%, Bolsa Família, 3% e demais projetos, 2%.

Na infraestrutura, os setores de habitação e energia são os destaques: 32,6% e 25,1% do total de R$ 1,2 trilhão, respectivamente. O programa Moradia Digna receberá R$ 389,7 bilhões. Na sequência está o programa Petróleo e Gás (19,1%), o setor de transportes, com cinco programas (9,8%), minerais (5%) e demais programas (8,4%).

Nos programas associados à área de desenvolvimento produtivo e ambiental lidera a agropecuária sustentável, abastecimento e comercialização, com 33% do valor total, seguido pelo comércio exterior (27%), desenvolvimento produtivo (15%), micro e pequenas empresas (12%) e demais programas (13%).

Entre os chamados temas especiais, os principais são a política nacional de defesa (51%), o desenvolvimento regional, territorial sustentável e economia solidária (42%), a política externa (4%) e os demais (3%).

Na elaboração do PPA o governo considerou que o Produto Interno Bruto terá alta real de 5% em 2012 e se manterá em 5,5% de 2013 a 2015. O salário mínimo deve subir dos atuais R$ 545 para R$ 619,21 no ano que vem, R$ 676,18 em 2013, R$ 741,94 em 2014 e R$ 817,97 em 2015.
A taxa de câmbio, nas previsões do plano, segue a média da valorização atual, com projeção de R$ 1,64 para o ano que vem, R$ 1,72 para 2013, R$ 1,74 para 2014 e R$ 1,77 para 2015.
Destaques

Veja as 11 prioridades do governo federal entre 2012 a 2015: 
  1. Retirar 16 milhões de brasileiros da condição de extrema pobreza, no Plano Brasil sem Miséria;
  2. Construir 2 milhões de moradias no Minha Casa, Minha Vida, das quais 60% para famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil;
  3. Construir 6 mil creches e pré-escolas;
  4. Oferecer 8 milhões de vagas para a educação profissional e tecnológica;
  5. Oferecer 75 mil bolsas de graduação e pós-graduação pelo Ciência sem Fronteiras;
  6. Criar quatro novas universidades e 47 campi federais em todo o país;
  7. Atingir a produção de 3,1 milhões de barris de petróleo/dia;
  8. Construir e adequar 14,7 mil quilômetros de rodovias;
  9. Construir 4,5 mil quilômetros de ferrovias;
  10. Construir e reformar mais de 11 mil unidades básicas de saúde;
  11. Levar internet banda larga a 40 milhões de domicílios.

 Fonte: Agência Senado e adaptações Redecol Brasil

Categorias: Política


Comente com sua conta do Facebook


Postar um comentário

Antes de comentar leia nossa Política de Comentários

Atenção: Os comentários não refletem as opiniões do editor e nem do Site.